O espetáculo As Criadas estréia dia 16 de janeiro, no Teatro Aliança Francesa

as-criadas

Matéria: Divulgação
Foto: Ronaldo Gutierrez

Uma das parcerias de maior sucesso do Teatro paulistano, entre o grupo Tapa e o Teatro Aliança Francesa, está de volta em 2015 após um hiato de 13 anos. O Tapa, que fez sua residência artística no Teatro Aliança Francesa entre 1986 e 2002, retorna a esse palco com o projeto “Genet em dois tempos”, que contará com duas peças do autor francês Jean Genet.

Esse retorno do grupo Tapa com as peças do Genet farão parte da terceira fase das comemorações dos 50 do Teatro Aliança Francesa, iniciadas em agosto. No dia 16 de janeiro estreia “As Criadas” e em março “Esplêndidos”.

Para o espetáculo “As Criadas” o elenco, dirigido por Eduardo Tolentino, será formado pelas atrizes Clara Carvalho, Denise Weinberg e Emilia Rey. O espetáculo conta a história de duas irmãs, Clara e Solange, que planejam dia após dia a morte de sua patroa. Inocentes ou vilãs, assumem o risco de seus planos, que acabam por levar o “amado” de sua Madame para a prisão. As vezes criadas, as vezes patroas, a peça se confunde em um jogo de poder e submissão, amor e o ódio.

Por onde foi montado em vários países, o espetáculo já teve distintos estilos. Realista, ritualista, surrealista e até tropicalista. Para essa montagem o diretor Eduardo Tolentino brincará com a questão da casa de bonecas pertencente ao universo feminino. Por exemplo, na ausência da patroa as criadas experimentam seus vestidos como meninas quando a mãe sai de casa. Porém quando a patroa/mãe volta, elas não conseguem cometer o assassinato simbólico com o chá envenenado, apenas conseguiram denunciar o amante/pai a polícia para afastá-lo de Madame/mãe.

O grupo TAPA, fundado em 1974 no Rio de Janeiro, mudou-se para São Paulo em 1986, quando ocupou o Teatro Aliança Francesa por 15 anos. Durante esse período foram apresentados mais de 50 espetáculos, entre eles Shakespeare (“A Megera Domada”), Bernard Shaw (“Major Bárbara”), Anton Tchekov (“Ivanov”), August Strindberg (“Camaradagem”), Oscar Wilde (“A Importância de Ser Fiel”), Nicolau Maquiavel (“A Mandrágora”) e Luigi Pirandello (“Vestir os Nus”); e também grandes autores brasileiros, como Arthur de Azevedo (“A Casa de Orates”), Nelson Rodrigues (“Vestido de Noiva) e Jorge Andrade (“Rasto Atrás”). Vários prêmios do TAPA também ocorreram durante a residência no Aliança Francesa como os 03 Molière por “Vestido de Noiva”, Mambembe de melhor atriz para Clara Carvalho por “Ivanov”, além de diversos Shell e APCA.

Eduardo Tolentino:

Fundador e diretor do Grupo TAPA, dirigiu mais de 30 espetáculos entre eles. Apenas um conto de fadas, de sua autoria, Uma peça por outra, de Jean Tardieu, O Anel e a rosa, de William Makepeace Thackeray, Não me chame de tetê e Destronou Thereza, de José Wilker, Tempo quente na floresta azul, de Orígenes Lessa, A fada que tinha idéias, de Fernanda Lopes de Almeida, O Noviço, de Martins Penna, Casa de Orates, de Arthur e Aloísio Azevedo, Viúva porém honesta, de Nelson Rodrigues, Pinóquio, de Carlo Collodi, O Tempo e os Conways, de J. B. Priestley, A Mandrágora, de Nicolau Maquiavel, Solness, o construtor, de Ibsen, Senhor de Porqueiral, de Molière, Nossa cidade, de Thornton Wilder, As raposas do café, de Antônio Bivar e Celso Luiz Paulini, A Megera Domada, de William Shakespeare, As portas da noite, de Jacques Prévert, Querô, uma reportagem maldita, de Plínio Marcos, Sra. Klein, de Nicholas Wright, Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, Corpo a Corpo, de Oduvaldo Vianna Filho, Rasto atrás, de Jorge Andrade, Do fundo do lago escuro, de Domingos de Oliveira, Moço em estado de sítio, de Oduvaldo Vianna Filho, Ivanov, de Anton Tcheckov, Navalha na carne, de Plínio Marcos, A Serpente, de Nelson Rodrigues, Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues (Polônia), Contos de Sedução, de Johnathan E. Amacker, Os Órfãos de Jânio, de Millôr Fernandes, Major Bárbara, de Bernard Shaw, A Importância de ser Fiel, de Oscar Wilde Executivos, de Daniel Besse, A Mandrágora, de Nicolau Maquiavel (2ª montagem), Outono e inverno, de Lárs Norén, Camaradagem, e August Strindberg, Sonho talvez não, de Pirandello, A Moratória, de Jorge de Andrade Retratos falantes, de Alan Bennett, Amargo Siciliano, de Pirandello, O ensaio, de Jean Anouilh, Cloaca, de Marta Goos, Vestir os Nus, de Luigi Pirandello, Recordar é Viver, de Hélio Sussekind, Doze Homens e Uma Sentença, de Reginald Rose, Vestir os Nus, Luigi Pirandello, Os Credores, de August Strindberg e Alguns Blues do Tennessee, de Tennessee Williams. Já faturou os seguintes prêmios como diretor, Mambembe de Teatro Infantil, direção por “A fada que tinha ideias” (1982); Mambembe, direção por “Viúva, porém honesta”; (1983), Mambembe, direção por “Pinóquio” e Molière de Teatro Infantil; (1984), APCA, melhor por “Viúva, porém honesta”; (1987), Governador do Estado, direção por “Solness, o construtor”; (1988), APCA e Molière, direção por “Vestido de Noiva”; (1994), Mambembe, direção por “Ivanov”; (1998) APCA, direção por “Major Bárbara”; (2001)

Clara Carvalho:

Atriz e tradutora iniciou a carreira artística com o balé, integrando do Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em 1985 começou a trabalhar com o Grupo TAPA. Atuou em diversas peças como Ivanov, de Tchecov, Vestido de Noiva e A Serpente, de Nelson Rodrigues, Rasto Atrás, de Jorge Andrade; todos com direção de Eduardo Tolentino, A Noite do Aquário e Dueto da Solidão; direção de Sérgio Ferrara, A Graça da Vida, direção de Aimar Labaki; Frankensteins; com direção de Jô Soares; Major Bárbara, Órfãos de Jânio e Retratos Falantes. Em 2010, estava no elenco de As Meninas, adaptação de Maria Adelaide Amaral para o romance de Lygia Fagundes Telles. Em 2012 esteve em cartaz com Isso é o que Ela Pensa de Alan Ayckbourn e direção de Alexandre Tenório. Em 2013 esteve no elenco de Dançando em Lúnassa de Brian Friel com direão de Domingos Nunez. Em 2014 participou das montagens de Ou Você poderia me Beijar e Preto no Branco, ambas com o Núcleo Experimental, sendo indicada ao APCA de melhor atriz pela segunda. Já recebeu diversos prêmios de melhor atriz como o Prêmio Shell por Órfãos de Jânio, em 2002, Qualidade Brasil também em 2002 por Major Bárbara, o APCA de 2003 por Frankensteins e o Mambembe por Ivanov em 1998. Clara também traduziu vários textos para o teatro como: TOC TOC, O Ensaio e Adorei o que você fez.

Denise Weinberg:

A atriz, professora e diretora teatral é uma das fundadoras do Grupo TAPA, em que permaneceu por 21 anos. Nesse período atuou em Apenas um Conto de Fadas, texto e direção de Eduardo Tolentino, Trágico Acidente Destronou Tereza, de José Wilker e Tempo Quente na Floresta Azul, de Orígenes Lessa, os dois com a direção de Eduardo Tolentino. Em 1983, faz o seu primeiro texto de Nelson Rodrigues com Viúva, Porém Honesta. No ano seguinte, pela companhia Teatro dos Quatro, encena Tio Vânia de Anton Tchekhov, dirigida por Sérgio Brito, sendo indicada como melhor atriz ao Trófeu Mambembe. Em 2000 encena O Acidente, de Bosco Brasil, dirigido por Ariela Goldmann, primeiro trabalho após a saída do grupo TAPA. Em 2012 protagonizou o espetáculo Isso é o que Ela Pensa de Alan Ayckbourn, com direção de Alexandre Tenório e em 2013 Dançando em Lúnassa e Brian Friel com direão de Domingos Nunez. Em 2006 ganha os prêmios Shell e APCA de melhor atriz pelo espetáculo Oração para um Pé de Chinelo de Plínio Marcos e direção de Alexandre Reinecke. Também já faturou durante sua carreira 03 os prêmios Molière, 02 Mambembe, mais um prêmio APCA e 07 prêmios de cinema. Nas telonas atuou em alguns filmes como Guerra de Canudos, Mauá – O Imperador do Brasil, Onde Anda Você?, Linha de Passe, Salve Geral e De Pernas para o Ar 01 e 02. Na TV realizou alguns trabalhos como nas minisséries Maysa – Quando Fala o Coração, Dalva e Herivelto – Uma Canção de Amor, Amor Eterno Amor e A Teia todas na Rede Globo.

Emília Rey:

Iniciou a carreira em 1978 com o Grupo Tapa com o espetáculo infantil Apenas um Conto de Fadas, escrita e dirigida por Eduardo Tolentino escrita e dirigida por Eduardo Tolentino, em que foi indicada ao Prêmio Mambembe de melhor Atriz. Ao longo da carreira atuou em diversas peças como Tambores da Noite de Bertold Bretch, Senhorita Julie de Strindberg e O Jardim das Cerejeiras de Anton Tchekov. No cinema participou dos filmes Polaroídes Urbanas de Miguel Falabella e Luz del Fuego de David Neves. Na TV fez várias participações em novelas da Globo e Record.

Ficha técnica:
Autor: Jean Genet
Tradução: Pina Cocô
Diretor: Eduardo Tolentino de Araújo
Elenco: Clara Carvalho, Denise Weinberg e Emilia Rey
Produção: César Bacan
Fotos: Ronaldo Gutierrez
Assessoria de Imprensa: Fabio Camara
Realização: Grupo Tapa

Serviço:
• As Criadas (de 16 janeiro até 15 março)

Gênero: Drama
Duração: 90 min
Ingressos: R$ 20,00
Quando:  Quinta à sábado (20h30) e domingo (19h)
Local: Teatro Aliança Francesa (Rua General Jardim, 182, Vila Buarque)
Censura: 14 anos
Estacionamento: Conveniado

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *