sábado, 13 julho, 2024
Teatro

Dirigido por Nelson Barkerville, Anjo de Pedra, de Tennessee Williams, volta em cartaz, no Tucarena

Crédito:

Depois de temporada de sucesso de público e crítica, com indicação de Melhor Atriz para Sara Antunes (APCA e SHELL), espetáculo reestreia dia 02 de junho para curta temporada

Matéria: Divulgação
Fotos:
 Ronaldo Gutierrez

Com tradução de Luis Marcio Arnaut e David Medeiros e adaptação de Nelson Baskerville e Luis Marcio Arnaut, versão de Anjo de Pedra, clássico de Tennessee Williams (1911 – 1983), sob direção de Nelson Baskerville e produção de Rodrigo Velloni, faz nova temporada no Tucarena.

O elenco é formado por Sara Antunes, Ricardo Gelli, Kiko Marques, Chris Couto, Carolina Borelli, Luiza Porto, Thomas Huszar e Selma Luchesi. Completam a ficha técnica Marcelo Pellegrini (música original), Chris Aizner (cenografia e pintura de arte), Wagner Freire (iluminação), Marichilene Artisevskis (figurino) e André Grynwask e Pri Argoud (direção de imagem).

“Anjo de Pedra” (Summer and Smoke) foi escrita pelo dramaturgo estadunidense Tennessee Williams logo após os grandes sucessos de bilheteria “À Margem da Vida” (The Glass Menagerie) e “Um Bonde Chamado Desejo” (A Streetcar Named Desire).

A obra também lançou a atriz estadunidense Geraldine Page (no papel de Alma Winemiller), ganhadora do Oscar pela versão cinematográfica, e garantiu a Tennessee Williams a tão sonhada estabilidade financeira. O autor é hoje um dos mais montados e premiados em todo mundo e sua produção conta com 32 peças curtas, 7 médias e 24 longas, assim como várias adaptações para o cinema e TV. No Brasil, Anjo de Pedra foi montada poucas vezes, entre elas, a montagem de Cacilda Becker, em 1950, e de Nathália Timberg, em 1960.

Sinopse

Verão de 1916. John está de férias da faculdade de medicina. Alma, sua vizinha, apaixonada desde criança por ele, tenta se aproximar. Ela é filha de um pastor anglicano, educada rigidamente, onde tudo é pecado, proibido ou imoral. Com pulsões sexuais reprimidas e comportamento excêntrico, não consegue se relacionar com outros rapazes. Ele, filho do médico da cidade, é uma espécie de playboy, ateu, não apegado a regras e moral, mulherengo e desleixado. O romance entre eles não se desenvolve. Ele acaba se envolvendo com uma moça mais jovem que Alma, porém mais aberta, educada sem a rigidez religiosa e conservadora. Resta para Alma, depois de não ser aceita pelo grande amor de sua vida, a decisão de um final trágico ou libertador.

O projeto desta montagem é um desejo antigo do diretor Nelson Baskerville, que convidou Rodrigo Velloni, seu amigo há 20 anos, para produzir a montagem. “Tenho uma história de amor com ‘Anjo de Pedra’ a montei algumas vezes no Teatro-Escola Célia Helena. Sempre preferi essa obra a outras mais famosas como ‘O Bonde Chamado Desejo’ e ‘À Margem da Vida’.”

“Em toda sua obra, Tennessee disseca a sociedade conservadora dos EUA e a influência desse pensamento sobre a vida das pessoas. Porém, em ‘Anjo de Pedra’ ele o faz de forma mais aguda e quase didática: Alma, a filha de um pastor anglicano é apaixonada desde criança pelo filho do médico da cidade, e através de alguns encontros ao longo da vida vamos percebendo um grande amor crescendo, junto com uma grande diferença comportamental. John é um jovem cheio de vida e a experimenta em toda sua potência, enquanto Alma implode seus desejos e é incapaz de demonstrá-los. Na genialidade de Williams conseguimos acompanhar a história em pelo menos duas camadas: no microcosmo, a impossibilidade de amor entre duas pessoas e, no macrocosmo, a tragédia que ocorre quando a religião (representada por Alma) tenta impor-se à ciência (representada por John)”.

“Esse espetáculo tornou-se imprescindível nos dias de hoje, em que alguns grupos tentaram desacreditar a ciência. Nos EUA de Tennessee, em 1916, onde a peça se passa, John luta para isolar o vírus da gripe espanhola que dizimou 50 milhões de mortos”, conclui Nelson.

Ficha técnica:
Direção: Nelson Baskerville
Produção: Rodrigo Velloni
Tradução: Luis Marcio Arnaut, David Medeiros
Adaptação: Nelson Baskerville, Luis Marcio Arnaut
Elenco: Sara Antunes e Ricardo Gelli, Chris Couto, Kiko Marques, Carolina Borelli e Luiza Porto, Thomas Huszar
Atriz Convidada: Selma Luchesi
Assistente de direção: Anna Zepa
Música original e direção musical: Marcelo Pellegrini
Cenografia: Chris Aizner
Iluminação: Wagner Freire
Figurino: Marichilene Artisevskis
Direção de imagem: André Grynwask e Pri Argoud (Um Cafofo)
Designer gráfico: Ricardo Cammarota
Fotografia: Ronaldo Gutierrez
Produção musical: Surdina
Pintura de arte: Chris Aizner e Jones de Souza
Construtor cenográfico / esculturas: Cesar Rezende (Basquiat)
Cenotécnico / cenário aéreo: Alicio Silva
Costura: Judite Geronimo de Lima
Alfaiate: Ismail de Souza Mendes
Envelhecimento: Foquinha Cris
Montadores: Igor B. Gomes e Cleiton Willy
Operador de luz: Roseli Martinelly
Operador de som e vídeo: André Grynwask
Contrarregra e camareiro: Eduardo Portella e Guilherme Terra
Produção executiva: Swan Prado
Assistente de produção: Adriana Souza
Assessoria de imprensa: Pombo Correio
Captação, criação de conteúdo e mídias sociais: GaTú Filmes
Assessoria jurídica: Martha Macruz de Sá
Gestão financeira: Vanessa Velloni
Realização: Velloni Produções Artísticas, Lei de Incentivo à Cultura, Ministério da Cultura e Governo Federal União e Reconstrução

Serviço:
Anjo de Pedra (de 02/06 a 02/07)
Quando: Sextas e sábados (21h) e domingos (18h)
Local: Teatro Tucarena (Rua Monte Alegre, 1.024, Perdizes)
Ingressos: R$ 80,00
Duração: 120 minutos
Classificação: 14 anos

Leave a Response