domingo, 21 abril, 2024
Exposição

Galeria Lume apresenta “Mudanças sutis e um pensamento afirmativo”, individual de Paulo Whitaker

Crédito:

Matéria: Divulgação

Trabalhando com acúmulo e fragmentação de formas elegantes e arranjos, o artista cria uma dança temporal entre passado e presente ao usar elementos de suas obras antigas e mais atuais, sem seguir uma cronologia, insistindo na liberdade de revisitar suas pegadas estilísticas. “Ele avança e retrocede com liberdade para se mover lateralmente”, como definiu o curador Wayne Baerwaldt.

É povoando grandes espaços que o artista plástico Paulo Whitaker vem criando suas pinturas a óleo em telas de grande formato, apresentadas em sua individual “Mudanças sutis e um pensamento afirmativo”, a ser inaugurada dia 25 de março. Com texto curatorial de Wayne Baerwaldt e obras inéditas do artista, que, fazendo uso de stencils, máscaras e recortes, cria composições entre as linhas duras e o dinamismo geométrico em cores e formas que fogem do famoso Brasil tropicalia.

No início de sua carreira, as telas de Whitaker apresentavam grandes dimensões monocromáticas com mínimas intervenções, como linhas, contornos irregulares e formas orgânicas. “O espaço fazia com que essa pequena imagem adquirisse uma certa potência e tensão”, comenta o artista. Aos poucos, Paulo introduz o stencil, colagens e máscaras, marcantes em sua produção atual. Com uma combinação de formas e cores majoritariamente terrosas e pouco saturadas, o artista, que em seu início encontrava dificuldade na exploração de grandes espaços, agora apresenta telas gestálticas compostas de formas abstratas, padronizadas e quase tautológicas, permitindo a compreensão de uma linguagem própria, que por um triz não é escrita.

“Whitaker sugere que ‘a arte é mais uma coisa baseada em experiências acumuladas’. As pistas estilísticas do passado e do presente se fundem, muitas vezes em tensão, para informar o significado através de imagens abstratas e figurativas, formas e sensibilidades personificadas e tecidas em mitos.” escreve o curador Wayne Baerwaldt.

A abertura da exposição acontece no sábado, dia 25 de março, durante a segunda edição do Arte Circuito Jardim Europa, evento que tem como objetivo incentivar a visitação e o acesso a diferentes galerias na região. Ao todo, são sete galerias participantes, que estarão abertas em horário estendido, das 11h às 17h, com programação especial e vans disponíveis para fazer o circuito entre elas durante todo o período. O Arte Circuito Jardim Europa é gratuito e aberto ao público.

Sobre o artista:

Paulo Whitaker

1958 – São Paulo, onde vive e trabalha.

Os trabalhos de Paulo Whitaker trazem uma contribuição singular para o cenário da arte brasileira, por meio de um processo de experimentação marcadamente dinâmico, desde os anos 1980. Na década seguinte, sua prática apresenta uma importante inflexão a partir de seu contato com a obra de Terry Winters (1949, Nova York, EUA), passando a incorporar, ao desenvolvimento pictórico, elementos presentes no pintor e gravador norte-americano como o acúmulo de decisões tomadas, mudanças de percurso e tentativas demarcadas na superfície da pintura.

Pintor e desenhista, Paulo Whitaker forma-se em Educação Artística na Universidade para o Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina – Udesc/SC, em 1984. Entre diversas exposições, participa da 25ª edição da Bienal Internacional de São Paulo, em 2002. Entre 1991 e 1992, é artista residente no Plug In, em Winnipeg, no Canadá, em E-Werk Freiburg na Alemanha e em 1999 no The Banff Centre for the Arts, também no Canadá. Neste mesmo ano participa da exposição Arte Contemporânea Brasileira sobre Papel no MAM, em São Paulo e em 2001 participa da 3ª BIENAL DO MERCOSUL em Porto Alegre. Já em 2007 participa da Biennale de Montreal, no Canadá.

Whitaker recebe, em 1993, o Prêmio Gunther de Pintura do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em 1998 no VI Salão Nacional Victor e o Grande Prêmio no Museu de Arte de Santa Catarina. As obras de Paulo Whitaker estão em acervos de importantes instituições e museus como: Museu de Arte de Santa Catarina – MASC, Museu de Arte Moderna de São Paulo – MAM/SP, Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, MAC/USP, Museu de Arte Contemporânea do Paraná – MAC/PR, Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado – MAB/Faap, Pinacoteca do Estado de São Paulo, entre outros.

Sobre a Galeria Lume 

A Galeria Lume foi fundada em 2011 com a proposta de fomentar o desenvolvimento de processos criativos contemporâneos ao lado de seus artistas e curadores convidados. Dirigida por Paulo Kassab Jr. e Victoria Zuffo, a Lume se dedica a romper fronteiras entre diferentes disciplinas e linguagens, através de um modelo único e audacioso que reforça o papel de São Paulo como um hub cultural e cidade em franca efervescência criativa.

A galeria representa um seleto grupo de artistas estabelecidos e emergentes, dedicada à introdução da arte em todas as suas mídias, voltados para a audiência nacional e internacional, através de um programa de exposições plural e associado a ideias que inspiram e impulsionam a discussão do espírito de época. Foca-se também no diálogo entre a produção de seus artistas e instituições, museus e coleções de relevância.

A presença ativa e orgânica da galeria no circuito resulta na difusão de suas propostas entre as mais importantes feiras de arte da atualidade, além de integrar e acompanhar também feiras alternativas. A galeria aposta na produção de publicações de seus artistas e realização de material para pesquisa e registro. Da mesma forma, a Lume se disponibiliza como espaço de reflexão e discussão. Recebe palestras, performances, seminários e apresentações artísticas de natureza diversa.

Serviço:
Mudanças sutis e um pensamento afirmativo (de 25 de março de 2023 a 06 de maio)
Texto crítico: Wayne Baerwaldt
Horário de visitação: Segunda a sexta, das 10h às 19h; sábados, das 11h às 15h
Local: Galeria Lume (Rua Gumercindo Saraiva, 54, Jardim Europa, São Paulo/SP)
Ingressos: Entrada gratuita

Leave a Response